16 de fevereiro de 2019

FAÇA PARTE DESTA HISTÓRIA

A Casa do Estudante Universitário do Paraná (CEU), idealizada pelos estudantes, com a ajuda da Primeira Dama Hermínia Rolim Lupion, esposa do Governador da época Moysés Lupion, engajada em causas sociais, Hermínia buscou amparar a causa estudantil que necessitava de um espaço para moradia estudantil. 

Hermínia Lupion conseguiu que os 144 moradores da época, em agosto de 1948, ocupassem a Casa provisória localizada na Avenida Luiz Xavier, no mesmo local onde antes funcionava um hotel. Lá também operou-se o departamento da União Paranaense dos Estudantes (UPE), a Casa do Estudante se tornou uma fundação conquistando sua autonomia e seu próprio estatuto apenas no final de 1949. No mesmo ano o Governo iniciou a obra da sede definitiva da CEU, localizado na Rua Luiz Leão número 1, tendo como seu vizinho e considerada hoje pelos seus moradores como "quintal de casa" o Passeio Público e em suas proximidades dois campi da Universidade Federal do Paraná: a reitoria e o prédio histórico. A CEU foentão fundada em 11 de agosto de 1948, pelo Presidente da República Juscelino Kubitschek.  

Inauguração da Casa do Estudante Universitário (CEU), na foto estão presentes o Presidente Juscelino Kubitschek, o Governador Moysés Lupion e a Primeira Dama Hermínia Rolim Lupion.

A Casa tem o orgulho de apresentar hoje à sociedade, seus ex moradores que foram ou são atualmente celebridades políticas e profissionais de grande sucesso, exaltando a iniciativa e vontade de ver acontecer que reside dentro de seus moradores e ex-moradores. Nomes da sociedade paranaense temos os influentes José Richa e Orlando Pessuti e os bem-sucedidos empresários Luiz Carlos Borges da Silveira e Renato Geraldo Mendes, assim como o Promotor Público Edson Luiz Peters.

A CEU é voltada para estudantes de graduação, pós-graduação, cursinhos pré-vestibulares, procedentes do interior do Paraná, e de outras regiões do Brasil, atualmente de 16 estados (AM, BA, CE, DF, GO, RJ, SP, RS, SC, PA, MT, MG, TO, PI e MS). Assim como também intercambistas das mais diversas partes do mundo, que hoje totalizam 10 pessoas, vindo de países como São Tomé, Cabo Verde, Peru, Colômbia, Bolívia e Argentina. 

O estudante do quarto ano de Economia da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Nilton Cardoso, veio de Cabo Verde na África, chegou no Brasil em 2015, não fazia ideia que a cidade de Curitiba existia, e pesquisou mais sobre a cidade na internet, assim como Curitiba, a CEU também era  desconhecida para ele, que descobriu a Casa pelo boca a boca, pelo conhecido ditado "um amigo de um amigo meu", que já havia morado na Fundação. A relação de Nilton com a CEU é inspiradora, visto que foi reprovado em algumas de suas tentativas a entrar na casa, e foi aprovado somente na banca 2016.2. Cabo Verde, como é chamado pelos amigos, explica sua sensação depois de sua aprovação na banca "Você começa a viver mesmo a CEU, tem que dar as oito horas. Entrei no departamento de Patrimônio, ai comecei a viver e querer trabalhar pra casa, as pessoas começam a ver com o tempo, a parcela de pessoas que trabalham, não é proporcional a demanda da casa, que possuem 250 moradores, mas a gente percebe que tem pessoas que dão o sangue pela casa". E ressalta o que vai levar da CEU assim que sair da casa "Saudade, provavelmente muita raiva de algumas pessoas (risos), mas levaria muita saudade e muito aprendizado, principalmente a ter paciência".

Festa de 70 anos da Casa do Estuante Universitário (2018). Da esquerda para a direita: Larissa Sanches, Nilton Cardoso, Orlando Monteiro e Paulo Henrique.

Para Larissa Sanches, estudante do segundo ano de Engenharia Mecânica pela UFPR, vem de Jandaia do Sul (PR), a CEU é um lugar para morar que mais se assemelha a nosso primeiro lar, como uma casa de família, em relação a comodidade e acolhimento. Em suas palavras "A responsabilidade cresce, também a parte de você se tornar acolhedor, você se torna mais comunicativo, durante quatro meses fiquei na vice coordenação de um departamento, depois saí e fui para outra, e isso me fez crescer bastante tanto no profissional quanto no pessoal, eu aprendi a me relacionar mais  com as pessoas e a me organizar mais". Larissa completa ainda seus desejos como futura ex moradora "Quero continuar ajudando a CEU, de alguma forma, sempre de olho na CEU. Como muito ex morador presente na  convenção, conheci vários que tem essa visão da casa hoje, a CEU impacta  na formação de pessoas, quando você entra aqui você aprende muito e isso é impactante na sociedade, muda a vida de todo mundo que passa aqui".

Aniversário de 70 anos da CEU (2018). Larissa Sanches e Nilton Cardoso.

Proporcionando um ambiente favorável para estudar e acessível para morar, a Fundação é mantida financeira e administrativamente pelos próprios estudantes residentes, por meio de trabalho voluntário e contribuições mensais, vale lembrar que a CEU não possui um valor fixo para os moradores, pois não é um aluguel, as contas da casa são dividas entre todos os moradores, sendo assim uma forma de rateio. A Hospedagem da CEU também contribui na geração de receitas para a casa, podendo diminuir o valor mensal dividido entre os moradores. A Fundação também promove e apoia atividades de cunho artístico e cultural, fortalecendo a Residência Universitária.

Os beneficiários contam com café da manhã diário, cozinha colaborativa, sala de estudos, sala de jogos, sala de TV, quadra poliesportiva, churrasqueira, serviços de portaria e de lavanderia 24 horas e acesso ilimitado à Internet. Para tornar-se residente, o estudante passa por processo seletivo simplificado e desburocratizado, que considera, basicamente, a vulnerabilidade socioeconômica. É necessário, no entanto, estar regularmente matriculado em instituição de ensino, localizada em Curitiba (PR), e que os pais sejam moradores de outra cidade. Hoje a CEU é considerada uma Organização da Sociedade Civil (OSC), que completa em 2019, 71 anos de história, com personalidade jurídica de direito privado, sem finalidade lucrativa.

Agora é a sua vez, futuro morador(a), você pode fazer parte da história da maior Casa Estudantil Autônoma da América Latina, a CEU te recebe de braços abertos para que juntos possamos construir novas ideias, projetos e amizades.

Assista o vídeo sobre a casa acessando o link: https://youtu.be/PRctmMqNzF4

#façapartedestahistoria #processoseletivo2019 #71anos

Nenhum comentário:

Postar um comentário