6 de julho de 2014

Lavanderia faz 56 anos com documentário de sua história

A Casa do Estudante Universitário do Paraná (CEU) foi inaugurada em 1948, ainda em um prédio provisório, para logo em seguida ser transferida para a construção atual, em 1956. Dentre os importantes serviços que a CEU oferecia aos moradores e que lhes poupavam tempo para estudar, estava a lavanderia.

Inaugurada em 1958, a lavanderia faz parte do patrimônio cultural e material da CEU, e completou neste dia 25 de maio 56 anos de história, servindo ceuenses de todas as épocas que passaram pela fundação.

Se a lavanderia é importante para a CEU, há um personagem que por todas as gerações deu rosto e voz à lavanderia: o senhor Alcebíades Cordeiro dos Anjos. Testemunha ocular da história ceuense, Alcebíades chegou na fundação aos 21 anos, procurando lugar para trabalhar. Encaminhado para a lavanderia, conta que tudo era muito desorganizado quando chegou, "o pessoal as vezes mandava até em papel higiênico o nome do rolo de roupas", diz.

Para comemorar tantos anos de história, fatos curiosos e ocorrências, a CEU decidiu promover um churrasco no dia 25 de maio e reunir moradores e amigos do senhor Alcebíades, personagens estes que mesclam-se à história daquela que já foi a maior casa de estudantes da América Latina.

Aproveitando a data e entendendo que Alcebíades C. dos Anjos é história viva da CEU, o Departamento de Comunicação e Cultura (DCC) produziu um pequeno documentário das histórias deste personagem tão homogêneo à fundação. No documentário, com a feliz e conveniente presença do ex-morador Aldérico José Dana, que morou na casa em 1968, Alcebíades relembra muitos dos eventos importantes que assistiu ali, além de verbalizar alguns fatos que já textualizou no blog que alimenta, o Memórias do Bide.



Em dado momento da conversa, Alcebíades para e vai procurar contente em seus antigos cadernos o nome de Aldérico, que já colaborou com o departamento de lavanderia. Aldérico estava lá, bem como o registro de muitos que passaram pela direção da CEU, pelas várias diretorias, e muitos que foram apenas moradores da casa. Alcebíades, em determinada época, guardava inclusive o nome e número do quarto de cada morador que atendia.

A CEU até hoje teve inúmeros personagens, mas Alcebíades é, com absoluta certeza, o mais mesclado a todos esses anos de funcionamento da fundação.

O Departamento de Comunicação e Cultura (DCC)  agradece a disposição do senhor Alcebíades em relembrar tantas coisas, e agradece também o senhor Aldérico Dana, por endossar essa homenagem aos serviços que a lavanderia presta aos ceuenses, mas sobretudo, à história da CEU.


Texto e foto: Rodrigo Novack
Documentário: Departamento de Comunicação e Cultura

Nenhum comentário:

Postar um comentário