2 de março de 2010

Carta pública dos residentes universitários da UEPB

Vimos por meio deste, apresentar a reivindicação dos/das estudantes sobre a atual situação da Residência Universitária da UEPB (situada à Rua Marechal Deodoro da Fonseca, 581, Prata, Campina Grande-PB) a fim de tornar pública nossa indignação quanto à postura adotada pela administração da UEPB no que se refere às questões que envolvem esta Residência.

Como ato de protesto, estamos ocupando nossa própria residência, desde quarta-feira (24 de fevereiro de 2010), tendo em vista que até então, não dispúnhamos de nenhum tipo de autonomia sobre esta, nos submetendo, assim, as decisões impostas pela atual administração da UEPB, através da Pró-Reitoria de Ensino de Graduação (PROEG). Diante das inúmeras medidas estratégicas, adotadas por essa administração, no sentido de destituição, ou melhor, da EXTINÇÃO da Residência Universitária; decidimos abrir as portas de nossa casa para os estudantes matriculados nesta universidade que, assim como nós, encontram-se sem condições materiais de permanecerem na cidade de Campina Grande-PB e, dessa forma, darem continuidade a seus estudos.

A tomada dessa medida decorre de uma necessidade concreta e urgente: a não abertura de Edital de vagas para seleção de novos residentes no início deste semestre letivo; apesar desse direito ser assegurado pelo Regimento Interno (documento que determina as ações referentes ao funcionamento da Residência Universitária). A decisão da não abertura do edital (até esse momento não justificada oficialmente pela PROEG); impede a continuidade da prestação da assistência estudantil. Já que aqueles (Administração da UEPB) que dispõem dos mecanismos necessários para garantia efetiva do acesso a assistência estudantil não o fazem, resta-nos o comprometimento com a causa e as necessidades estudantis.

Paralelamente a isso, estamos reivindicando novas condições de organização interna. Consideramos que a nossa administração interna deve ser feita pelos próprios residentes, a exemplo do que acontece hoje na Residência Universitária da UFCG, e outras residências do Brasil, que vivenciaram um processo de luta semelhante a este, conquistando sua autonomia. Nesse sentido, a nossa AUTONOMIA ADMINISTRATIVA é ponto-chave para que os direitos estudantis sejam protegidos das ameaças institucionais que insistem em minar a nossa organização e articulação em prol da legitimação e efetivação de antigas e novas conquistas.

Com isso, logo após a tomada da casa, ainda no dia 24 de fevereiro de 2010, os residentes realizaram uma Assembléia Geral ordinária, onde foi eleita em votação direta e aberta a Diretoria da Residência Universitária da UEPB, composta por cinco residentes, são eles: HELISSE MAYARA M. DE ALMEIDA, IZALDO DE MORAIS, JEANE URSULINO GOMES, PATRÍCIA RIBEIRO E NAYARA SUÊNIA DE OLIVEIRA.

Desde o início de nossa luta, contamos com inúmeros apoios de algumas forças políticas que compreendem a necessidade e importância de nossa causa. Professores da UEPB e da UFCG, Estudantes, SENCE (Secretaria Nacional de Casas de Estudantes), DCE (Diretório Central dos Estudantes), C.A’s (Centros Acadêmicos), Movimento Levante de João Pessoa, UJS (União da Juventude Socialista), UJR (União da Juventude Rebelião), CUCA (Centro Universitário de Cultura e Arte), TEATRARTE (Grupo de Teatro do Oprimido de Campina Grande), Movimentos Sociais, como o MAB (Movimento dos Atingidos por Barragens), a Assembléia Popular, o MST (Movimento dos Sem Terra), a AJURCC (Associação de Juventude e Resgate á Cultura e Cidadania) dentre outros, são alguns dos parceiros que estão nos apoiando nesse momento de luta por justiça social e resistência estudantil.

Acreditamos que essa luta é de todos nós, integrantes e filhos da classe trabalhadora. Acreditamos ainda, que a liberdade não poderá ser concedida pelos outros, somente poderá ser conquistada por nós mesmos. Disputando a hegemonia, ou seja, contrapondo ao domínio ideológico exercido pelas elites através de ações concretas que controlam o povo em torno do pensamento burguês. Como diria um teórico companheiro (Ademar Boggo) “a expulsão das velhas idéias deformadas permite abrir espaço para a formação de uma nova consciência”. É essa nova consciência que buscamos para a construção de uma nova sociedade baseada nos ideais de solidariedade e igualdade.

Esperamos contar com o apoio de todos e todas que tenham esses mesmos pensamentos.
Seguindo firmes e em resistência na luta,
Estudantes Residentes da Universidade Estadual da Paraíba.

Campina Grande, 26 de Fevereiro de 2010.

Fonte: Blog Residência UEPB

Nenhum comentário:

Postar um comentário