24 de março de 2010

Itaipu e Unila batem o martelo: primeira moradia estudantil de Foz do Iguaçu será na Vila C

A área localizada nas imediações do Centro de Recepção de Visitantes (CRV) da Itaipu, doada pela Prefeitura de Foz do Iguaçu para a Universidade da Integração Latino-Americana (Unila), será destinada à construção da primeira moradia estudantil da instituição. A definição aconteceu no fim da tarde desta terça-feira (23), no Centro Executivo, em um encontro do diretor-geral brasileiro, Jorge Samek, e do reitor temporário da Unila, Hélgio Trindade, com engenheiros e arquitetos de diferentes setores da usina integrantes da equipe técnica responsável pela supervisão dos projetos de obras da universidade.

18 de março de 2010

Estudantes ocupam prédio da Coordenadoria de moradias da USP

Estudantes da USP, moradores do Conjunto Residencial da USP (Crusp), ocuparam, por volta das 2 horas desta quinta-feira, a sede da Coordenadoria de Assistência Social do conjunto, na Cidade Universitária, zona oeste de São Paulo.

Os estudantes aprovaram a ocupação em assembleia, que teve início por volta das 23 horas de quarta-feira, 17, e durou aproximadamente três horas. Os manifestantes, cerca de 60, reivindicam melhores condições de moradia, transparência no processo de seleção dos moradores do Crusp e conclusão das obras de construção de um novo bloco de apartamentos.

O prédio começou a ser erguido em 2008. A ocupação, por enquanto, é tranquila. Os estudantes, que montaram uma barraca do lado de fora do prédio da coordenadoria, são observados à distância por integrantes da segurança da USP.

Fonte: Estadão

12 de março de 2010

Estacionamento de ônibus causa protesto


Alunos preferem que Instituição priorize construção de uma Casa do Estudante

Alunos da Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP) estão realizando um protesto em frente ao prédio da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Jacarezinho. O motivo da manifestação pacífica, segundo Newton Benetti, é que a instituição teria priorizado a construção de um estacionamento para ônibus no terreno anteriormente destinado à Casa do Estudante. O projeto da casa teria sido abandonado.

Para tornar pública sua insatisfação com a medida, alguns alunos armaram barracas no gramado ao lado das escadarias do acesso principal do prédio e prometem permanecer lá, pelo menos, até o dia 25 de março, quando está prevista uma visita do governador Roberto Requião (PMDB) ao campus. Por enquanto a manifestação tem pouca adesão, mas a expectativa dos estudantes é de que o movimento tome corpo. "A gente luta contra a indiferença e o conformismo daqueles que deveriam ser os agentes de transformação da sociedade, que são os jovens", argumenta um dos manifestantes, matriculado no curso de Filosofia.

Fonte: Tribuna do Vale

9 de março de 2010

UPE lança nota a governo do estado por moradia estudantil em Maringá


Exmo. Senhor Governador Roberto Requião,
A União Paranaense dos Estudantes em conjunto com Diretório Central dos Estudantes da Universidade Estadual de Maringá realizou no último dia 4 de março uma manifestação dirigida ao Senhor, governador do estado, para apresentar-lhe a pauta de reivindicações dos estudantes daquela universidade, que exigem mais verbas para a construção da Casa do Estudante Universitário e para ampliação e Reforma do Restaurante Universitário, que combatem dia a dia para se manter na universidade.
Na ocasião o Governador afirmou, na presença da imprensa e do Coordenador Geral do DCE da UEM que moradia era para os pobres e seguiu dizendo que os estudantes deveriam trabalhar.
Senhor Governador, cabe a vossa excelência entender que a assistência estudantil é um direito constitucional conquistado pelos estudantes durante muitas mobilizações, com muito suor e sangue, para garantir que a universidade cumpra o seu papel social de produção do conhecimento, e para que não seja privilégio daqueles que conseguem se manter. Há de saber, Senhor Governador, que a UEM recebe estudantes de diversas partes do estado do Paraná e do Brasil, motivo de orgulho dentro da comunidade acadêmica, e que para garantir que continuem seus estudos, que contribuem para o desenvolvimento de uma sociedade soberana, os estudantes necessitam ter as condições mínimas: moradia, alimentação, saúde e lazer. Para isso reivindicamos que em todo o estado seja aplicado um Plano Estadual de Assistência Estudantil, com rubrica específica de 100 milhões de reais, o que garantiria a assistência estudantil como política de estado e não de governo.
No entanto, Senhor Governador, não estamos dispostos a aceitar as suas últimas declarações como definitivas. Entendemos que os estudantes necessitam da aplicação do direito à moradia e alimentação, mas não necessitam de casas com 300 m² para cada estudante, mas de prédios, blocos e apartamentos que comportem 500 estudantes, com as condições dignas. Não necessitamos, como o Senhor veio a público dizer, de um restaurante francês, mas sim de um restaurante sem filas que tenha espaço para se sentar e ventilação, necessitamos também de comida de qualidade, para isso é preciso reformar o Restaurante Universitário da UEM e contratar mais funcionários. Essa é a única saída plausível para os problemas enfrentados pelos estudantes da UEM.
Por último, Senhor Governador Roberto Requião, é preciso dizer que os estudantes aguardam uma resposta digna de um Governador eleito pela população para garantir ensino público gratuito e de qualidade para todos e repudiamos as últimas declarações por demonstrar desrespeito com a pauta de reivindicações, mui respeitosamente, entregue.
Aguardamos do seu governo uma resposta.
Atenciosamente,
União Paranaense dos Estudantes
Curitiba, 09 de março de 2009

2 de março de 2010

Carta pública dos residentes universitários da UEPB

Vimos por meio deste, apresentar a reivindicação dos/das estudantes sobre a atual situação da Residência Universitária da UEPB (situada à Rua Marechal Deodoro da Fonseca, 581, Prata, Campina Grande-PB) a fim de tornar pública nossa indignação quanto à postura adotada pela administração da UEPB no que se refere às questões que envolvem esta Residência.

Como ato de protesto, estamos ocupando nossa própria residência, desde quarta-feira (24 de fevereiro de 2010), tendo em vista que até então, não dispúnhamos de nenhum tipo de autonomia sobre esta, nos submetendo, assim, as decisões impostas pela atual administração da UEPB, através da Pró-Reitoria de Ensino de Graduação (PROEG). Diante das inúmeras medidas estratégicas, adotadas por essa administração, no sentido de destituição, ou melhor, da EXTINÇÃO da Residência Universitária; decidimos abrir as portas de nossa casa para os estudantes matriculados nesta universidade que, assim como nós, encontram-se sem condições materiais de permanecerem na cidade de Campina Grande-PB e, dessa forma, darem continuidade a seus estudos.

A tomada dessa medida decorre de uma necessidade concreta e urgente: a não abertura de Edital de vagas para seleção de novos residentes no início deste semestre letivo; apesar desse direito ser assegurado pelo Regimento Interno (documento que determina as ações referentes ao funcionamento da Residência Universitária). A decisão da não abertura do edital (até esse momento não justificada oficialmente pela PROEG); impede a continuidade da prestação da assistência estudantil. Já que aqueles (Administração da UEPB) que dispõem dos mecanismos necessários para garantia efetiva do acesso a assistência estudantil não o fazem, resta-nos o comprometimento com a causa e as necessidades estudantis.

Paralelamente a isso, estamos reivindicando novas condições de organização interna. Consideramos que a nossa administração interna deve ser feita pelos próprios residentes, a exemplo do que acontece hoje na Residência Universitária da UFCG, e outras residências do Brasil, que vivenciaram um processo de luta semelhante a este, conquistando sua autonomia. Nesse sentido, a nossa AUTONOMIA ADMINISTRATIVA é ponto-chave para que os direitos estudantis sejam protegidos das ameaças institucionais que insistem em minar a nossa organização e articulação em prol da legitimação e efetivação de antigas e novas conquistas.

Com isso, logo após a tomada da casa, ainda no dia 24 de fevereiro de 2010, os residentes realizaram uma Assembléia Geral ordinária, onde foi eleita em votação direta e aberta a Diretoria da Residência Universitária da UEPB, composta por cinco residentes, são eles: HELISSE MAYARA M. DE ALMEIDA, IZALDO DE MORAIS, JEANE URSULINO GOMES, PATRÍCIA RIBEIRO E NAYARA SUÊNIA DE OLIVEIRA.

Desde o início de nossa luta, contamos com inúmeros apoios de algumas forças políticas que compreendem a necessidade e importância de nossa causa. Professores da UEPB e da UFCG, Estudantes, SENCE (Secretaria Nacional de Casas de Estudantes), DCE (Diretório Central dos Estudantes), C.A’s (Centros Acadêmicos), Movimento Levante de João Pessoa, UJS (União da Juventude Socialista), UJR (União da Juventude Rebelião), CUCA (Centro Universitário de Cultura e Arte), TEATRARTE (Grupo de Teatro do Oprimido de Campina Grande), Movimentos Sociais, como o MAB (Movimento dos Atingidos por Barragens), a Assembléia Popular, o MST (Movimento dos Sem Terra), a AJURCC (Associação de Juventude e Resgate á Cultura e Cidadania) dentre outros, são alguns dos parceiros que estão nos apoiando nesse momento de luta por justiça social e resistência estudantil.

Acreditamos que essa luta é de todos nós, integrantes e filhos da classe trabalhadora. Acreditamos ainda, que a liberdade não poderá ser concedida pelos outros, somente poderá ser conquistada por nós mesmos. Disputando a hegemonia, ou seja, contrapondo ao domínio ideológico exercido pelas elites através de ações concretas que controlam o povo em torno do pensamento burguês. Como diria um teórico companheiro (Ademar Boggo) “a expulsão das velhas idéias deformadas permite abrir espaço para a formação de uma nova consciência”. É essa nova consciência que buscamos para a construção de uma nova sociedade baseada nos ideais de solidariedade e igualdade.

Esperamos contar com o apoio de todos e todas que tenham esses mesmos pensamentos.
Seguindo firmes e em resistência na luta,
Estudantes Residentes da Universidade Estadual da Paraíba.

Campina Grande, 26 de Fevereiro de 2010.

Fonte: Blog Residência UEPB