8 de dezembro de 2009

ATO da casa do estudante universitário leopoldense em defesa da moradia

Onde: CEUL (rua primeiro de março, 729, centro)
Quando: 09 de dezembro, às 18h
O que vai ter: música, palavras de ordem e grafitagem
É importante a participação de todos e todas!


Ceul realiza ato em defesa do direito à moradia estudantil. A Casa do Estudante Universitário Leopoldense (CEUL) realizará na tarde desta quarta-feira, 09, um ato em defesa da moradia estudantil. A partir das dezoito horas, haverá grafitagem da fachada lateral do prédio, intervenção musical e palavras de ordem. A entidade, que se localiza na Rua Primeiro de Março, 729, Centro, encontra-se ameaçada pelo Projeto de Lei 184/2009, de autoria do Governo do Estado. Ele autoriza a venda e o leilão do imóvel pertencente ao Departamento Autônomo de Estrada e Rodagens (DAER/RS).

Os moradores contam com a participação de ex-residentes, amigos, estudantes da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), movimentos sociais e de toda comunidade da região metropolitana de Porto Alegre. O objetivo é dar publicidade à ação do Governo, que deseja acabar com uma organização responsável por abrigar universitários há mais de quarenta anos. Desde o dia 12 de agosto, o Projeto de Lei se encontra na Assembléia Legislativa e pode ser votado a qualquer instante.

Em nenhum momento, a CEUL recebeu qualquer notificação do documento, descobrindo por acaso um processo que pode dar rumos trágicos à entidade. Se o Projeto for aprovado pelos parlamentares, os moradores serão expulsos do local e a casa não terá como alojar estudantes da região metropolitana, que dividem entre si o custo da sobrevivência sem auxílio do Estado ou das universidades.

Esta é a segunda tentativa do DAER de vender o imóvel. Em 2006, um Projeto de Lei do Governo do Estado semelhante foi barrado no Legislativo pela mobilização dos moradores com o apoio da população. No entanto, o engavetamento daquela proposta não foi suficiente para diminuir o interesse imobiliário pela casa, situada em região central da cidade, o que a torna valorizada.

Sendo assim, a CEUL vem a público informar que não aceitará passivamente a imposição do Governo. A casa se encontra mais do que nunca em luta por moradia. Seus moradores já estão novamente mobilizados para o convencimento dos parlamentares que, pela experiência história, não virá sem pressão por parte da sociedade.

Ao longo da sua história, a Casa ajudou mais de 200 estudantes de baixa renda, que, beneficiados pela moradia barata, conseguiram concluir seus estudos, tornando-se profissionais dos mais diversos ramos. Na maioria, jovens oriundos de localidades distantes do Rio Grande do Sul ou mesmo de outros Estados. Todo ano dezenas de universitários procuram a CEUL em busca de um lugar para ficar, através da seleção de moradores ou de pedidos de hospedagem, inclusive para intercambistas.

Atualmente, a Casa abriga discentes de Administração, Arquitetura, Ciências Sociais, Comunicação Social, Direito, Educação Física, Engenharia Civil, Engenharia de Alimentos, Engenharia Elétrica, Formação de Músicos e Produtores de Rock, Gestão Ambiental, História e Letras da Universidade do Vale do Rio dos Sinos e da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul. Já existe um projeto de ampliação da CEUL para abrigar cerca de quarenta estudantes, mas que por falta de recursos ainda não foi efetivado.

Histórico

A Casa do Estudante Universitário Leopoldense tem sua origem em 1969, meses depois da inauguração da Unisinos. Naquele ano, um grupo de discentes da universidade resolve se reunir sob o mesmo teto, nas antigas dependências do pré-seminário pertecente à Associação Evangélica Evoti, dividindo despesas de aluguel e criando um ambiente de convívio estudantil.

A luta pelo direito a moradia teve início em 1977, quando a Associação obrigou os moradores a abandonar o prédio dentro do período de um mês, pois tinha outros interesses para o mesmo. Os estudantes resistiram e só saíram do local em abril de 1983, que passara a pertencer ao Museu Histórico de São Leopoldo. Sem alternativa, os moradores se transferiram para o prédio do Castelinho, atual Câmara Municipal de São Leopoldo.

Depois da ocupação do prédio pelos estudantes, a Prefeitura, descontente com o caso, resolveu pedir o destombamento do Castelinho para a ampliação da Avenida Dom João Becker. Em junho de 1983, a antiga Casa do Estudante é demolida, com desrespeito à lei, pois o prédio havia sido tombado pelo Patrimônio do Estado.

Após tentativa de reconstruir o Castelinho, os moradores se dividem e alguns mudam-se para o endereço da Rua Primeiro de Março, 729, Centro, em prédio cedido pelo DAER. Outros iniciam a construção de uma nova casa com sede na Avenida Unisinos, que viria ser fundada em 1991, recebendo o nome de Casa do Estudante Cristo Rei – CEUNI.

Para mais informações, eis os nossos contatos:
Casa do Estudante Universitário Leopoldense – (51) 3592-1668
Rafael Cavalcanti (comissão de Comunicação) – (51) 8198-9011
E-mail: casaceul@gmail.com
Blog: http://www.ceusaoleo.blogspot.com
Endereço: Rua Primeiro de Março, 729, Centro.
_____________

Enviado na lista nacional da SENCE
danilo, feop/se
sencenne coord. regional

Fonte: SENCE

Nenhum comentário:

Postar um comentário