29 de setembro de 2009

Confusão durante corte de água na Casa do Estudante da UEL termina com 4 estudantes detidos

Estudantes ocupam o local desde maio, quando venceu contrato entre universidade e imóvel. Eles reclamam que não foram contemplados com vaga na Casa do Estudante do campus

Quatro estudantes foram presos e a água da antiga Casa do Estudante da Universidade Estadual de Londrina (UEL), na Avenida São Paulo, foi cortada pela Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar) nesta terça-feira (29) em Londrina. Pelo menos um estudante ficou ferido depois que o Pelotão de Choque foi chamado para conter a manifestação dos estudantes. A assessoria de imprensa da UEL confirmou que solicitou o corte da água na semana passada.

A reintegração de posse foi pedida pela UEL em junho, já que a Casa do Estudante ficou pronta no campus da universidade e os estudantes que passaram no teste foram transferidos para o novo prédio. Entretanto, alguns não foram selecionados para a nova moradia e, por isso, permaneceram no local em forma de protesto. Segundo a UEL, existem cerca de 20 estudantes morando no prédio na Avenida São Paulo.

A tenente da Polícia Militar (PM) Manoela Donadello de Borba afirmou que a Sanepar pretendia cortar a água a partir da residência, mas com o protesto, a empresa fez um buraco na rua para desligar o registro. “Os estudantes deitaram no chão para impedir que a retroescavadeira da Sanepar furasse o chão”, contou. Quatro estudantes foram presos.

Testemunhas contaram que pelo menos um deles foi ferido pelos policiais. A tenente Manoela negou que ele tenha ficado ferido. “Teve um que fingiu que ficou ferido, e foi para o hospital por precaução”, disse. Uma equipe da Companhia Paranaense de Energia (Copel) também esteve no local para cortar a luz, mas preferiu deixar o serviço para outro dia, diante das manifestações.

Durante o protesto, estudantes gritavam palavras de ordem e mensagens em alto falante. “Nossa luta é pelo direito de sermos iguais e termos condições iguais para concluir a universidade diante de contratempos”, dizia uma das mensagens.

Os estudantes estão no imóvel desde maio, quando venceu o contrato da universidade com o proprietário do hotel. Eles reclamam que não foram contemplados com vaga na Casa do Estudante do campus. De acordo com a UEL, são R$ 16 mil mensais pagos de aluguel enquanto os estudantes permanecem por ali.

Fonte: Jornal de Londrina

Nenhum comentário:

Postar um comentário