6 de julho de 2009

Padre Gustavo, o benemérito.


Nascido em Santa Maria (RS) e filho de portugueses, padre Gustavo (foto ao lado do Goverdador Requião e do Vice Pessuti) é o único homem numa família de cinco filhos. Mesmo revelando uma forte vocação para o sacerdócio desde a infância, foi forçado pelo pai a cursar Medicina, profissão que abandonaria após a morte dele. “Foi quando me senti livre para seguir o caminho da minha vocação”, afirma.

Depois de concluir o seminário no Rio Grande do Sul, padre Gustavo chegou em Curitiba no início da década de 60 para atuar junto aos estudantes da Universidade Federal do Paraná
. Ali, liderou os estudantes em muitas manifestações por direitos políticos e pela participação mais ampla e democrática deles na discussão dos rumos da universidade. “Sempre tive muito carinho com os jovens e usei minha experiência e conhecimento humano para orientá-los. Porque a força sem entendimento é veleidade pura”, explica.

A mais audaciosa dele, conta padre Gustavo, foi a Greve do Terço, ocorrida em plena ditadura militar, quando os estudantes exigiam maior participação no Conselho Universitário e que resultou no enquadramento de 35 manifestantes na Lei de Segurança Nacional, cuja punição poderia acabar com a expulsão do país.

Festa na CEU com a Miss Brasil 63

Foi quando o padre ficou conhecido pelos políticos da época e acabou ainda conhecendo os estudantes que, atualmente, são os líderes dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário.

Um exemplo é o ex-governador José Richa. Sua cerimônia de casamento foi celebrada por padre Gustavo, que também batizou todos os filhos do ex-governador. Mais tarde, celebrou o casamento Beto Richa, atual prefeito de Curitiba, e ainda batizou os filhos de Beto. Foi José Richa quem tornou padre Gustavo capelão do Palácio Iguaçu, há cerca de 30 anos.

Algo semelhante também ocorreu entre o padre e o então presidente da Casa dos Estudantes Universitários (CEU) na década de 70, o estudante de Agronomia Orlando Pessuti. Gustavo foi o responsável pelo casamento de Pessuti e mais tarde também batizou seus três filhos.

Foi nessa época que Gustavo também conheceu o irrequieto estudante de Direito e Jornalismo Roberto Requião, hoje governador do Estado, e ajudou a eleger como presidente da União Nacional dos Estudantes (Une) José Serra, hoje Governador de São Paulo. “Sempre gostei do ambiente político”, garante.

Faleceu aos 95 anos de idade no dia 20 de abril de 2006

Fonte: AEN

Nenhum comentário:

Postar um comentário